MEMORIAL GAMENSE

"Preservando a historia do futebol gamense"

                    Tim, o fundador do Gamão do Povão


Exclusivo: esta foi a última entrevista do Tim.
 
Tim nasceu no dia 02 de abril de 1926 na pequena cidade de Rubim em Minas Gerais. Amante do futebol, começou a jogar nos campos de terra de sua cidade. Logo depois estaria defendendo o Iguaçu de Araçuaí, norte de Minas. Ganhou o seu apelido por ter seu estilo de jogo parecido com o atacante Tim, ídolo do Fluminense e jogador da seleção brasileira de 1938.

Tim jogou ainda no Atlético de Teófilo Otoni e teve uma passagem pelo Atlético Mineiro. Porém pendurou as chuteiras devido a uma contusão no pé em 1951. Atraído pelas oportunidades de trabalho na Nova Capital, Tim abraçou a carreira de Barbeiro na Cidade Livre, (hoje Núcleo Bandeirante). Depois exerceu sua função no Salão Ceará da 306 sul. Conseguiu depois de algum tempo ser o barbeiro do Supremo Tribunal Federal.

Foi diretor do Gaminha, equipe de futebol amador da cidade. Depois de alguns desentendimentos com a diretoria, fundou sua própria equipe, o Minas Atlético Clube. Mas foi em outubro de 1975 que ocorreu o fato marcante que  determinou a criação da SEG. Em uma festa, ocorrida no clube Opromeso (hoje conhecido como Flamboyant e que recebe a feira dos goianos) era o clube social de maior expressão da cidade, vários diretores de times amadores se encontraram. Entre eles Walter Emetério, diretor do Flamenguinho. Tim lhe disse à época que pretendia criar um clube de futebol para representar a cidade no campeonato candango. Walter riu e provocou Tim lhe dizendo que ali no Gama não tinha homem para criar um time de futebol profissional.

Como resposta à sua provocação, Tim pegou um empréstimo de Cr$ 7.500,00, registrou o nome do clube na Federação, comprou bolas e uniforme. Marcou reunião com desportistas da cidade e o administrador do Gama, Antônio Walmir Campelo Bezerra e pediu apoio de todos para a criação da nova equipe. Tim foi o primeiro presidente da SEG, mas em troca de apoio teve que entregar a gestão da equipe depois de seis meses. Tim foi presidente de 15/11/1975 a 15/06/1976 e depois foi vice-presidente de futebol em 1985.

Sua última aparição pública foi no dia 15/11/2009 no lançamento do DVD do título de 1979. Tim faleceu no dia 07/09/2010 e foi sepultado no cemitério Campo da Boa Esperança e sob seu caixão uma bandeira e uma camisa do clube de sua criação. Compareceram ao enterro o ex-presidente e co-fundador Antônio Goiano (Antõnio José Gonçalves), o também ex-presidente Tonhão (Antônio Alves do Nascimento Neto), o ex-jogador Santana (campeão em 1979), Zé Cruzeirinho, Zequita e outros amigos. Os presentes assistiram um vídeo de 5 minutos produzido pelo Memorial Gamense.
 
Marcio Almeida

 

               Osvando Lima, um torcedor na presidência do time.

Osvando Lima com a faixa de campeão de 1979.
 

Se a Sociedade Esportiva do Gama chegou a ser o clube de futebol mais popular do DF e conhecido nacionalmente, agradeça a algumas pessoas que se doaram pela equipe, uma delas é Osvando Pimentel Lima de Lima, ou simplesmente Osvando, natural de Uruana/GO, afirma ter sido campeão amador, em 66, como lateral direito pelo Brasilinha aqui na cidade. O certo mesmo é que, em 1977, com a vitória da chapa “Força Jovem” a ACIG (Associação Comercial e Industrial do Gama) resolveu ajudar diretamente o time do Gama indicando-o como representante da entidade para compor a diretoria.

Em 1978, com um crise séria pelo qual o clube passava Osvando foi nomeado o 3º presidente da história da agremiação exercendo o mandado de 23/ 06/ 1978 a 26/06/1980 e um outro de 12/ 06/ 1981 a 21/07/1982. Dentre seus feitos, com a ajuda de uma diretoria não menos apaixonada, o time chegou  a dois títulos do Torneio Incentivo e a conquista do seu primeiro título do Candangão e quem não se lembra de Hélio, Carlão, Décio, Kidão, Odair, Santa, Manoel Ferreira, Péricles, Roldão, Fantato e Robertinho? Jogadores trazidos com um esforço descomunal para serem campeões.

Hoje, o folclórico dirigente reside em Aracajú/SE, longe da cidade que tanto lhe deu alegrias, após ter sofrido um acidente de carro e um derrame. Para todos, ele manda lembranças e sua maior tristeza é não poder andar pelas ruas e cumprimentar todos os amigos do Gama como era seu costume.

Valeu Osvando, o Gama nunca te esquecerá! 

 

 Marcio Almeida

                                   Oldemar Antunes

 

 

 Oldemar Bezerra Antunes,  nasceu em Babaçulândia/TO, no dia 11/09/1952, veio morar na cidade do Gama em 1976 e é proprietário da Drogaria São Rafael, no Setor Oeste. Foi o 6º presidente da história do clube, exercendo a 1 vez o mandato de 24/09/1983 a 02/03/1984, e depois disso participou da direção como tesoureiro e outras funções até 1992.

Em sua 2ª passagem, Oldemar ocupou a Vice-Presidência de Administração (o segundo na hierarquia de comando do clube) assumiu a presidência do clube em 2012, após o fiasco da apresentação do emprsário Froylan Pinto como homem-forte do clube com a destituição da antiga diretoria de Wagner Marques

O que se viu depois, foi um dos piores momentos da SEG, sem CT, dinheiro  ou uniformes, o clube foi obrigado a disputar aquele campeonato com jogadores da base e mesmo com todas as dificuldades conseguiu se manter na primeira divisão do Campeonato Candango e disputar a Copa do Brasil.

Oldemar juntamente com Toninho conduziram politicamente a sucessão do clube para as mãos de Antônio Alves do Nascimento Neto (Tonhão), mas provocaram a insatisfação dos conselheiros do clube ao distribuir títulos de sócios-beneméritos para parentes e amigos sem consultar a assembleia-geral e administrar o time de forma amadora. Outro momento crítico foi a saída do conselheiro fiscal Flávio Raupp, a quem não foi apresentado os documentos necessários para venda do terreno da antiga sede social, depois foi formado uma comissão para verificar a regularidade da venda e nunca tal comissão foi convocada. Depois foi a vez de Oldemar e Toninho provarem do próprio remédio, se queixavaram de serem alijados das decisões tomadas pelo presidente Tonhão. O ápice do descontentamento foi a parceria acertada pelo presidente com a empresa gestora do futebol do clube.

No dia 07/03/2014 Oldemar Antunes anunciou sua saída da Diretoria Executiva da SEG. O anúncio ocorreu em entrevista concedida ao repórter Douglas Oliveira durante o programa "Momento Esportivo" da Rádio Brasília AM 1210.

Oldemar expôs os motivos que o levaram a pedir sua saída: "Estamos no Gama desde 1982, assumimos em 2012 com várias ações trabalhistas e regularizamos tudo para o Tonhão. Mas o contrato com essa empresa é muito perigoso para a SEG. Eu não quero colocar o meu nome quando isso gerar problema" disse. Sem entrar em detalhes, Oldemar insistiu que o contrato que foi lido em assembléia para ser aprovado não é o mesmo que foi registrado e que está em vigor com a empresa gestora: "É coisa muito séria esse contrato esse contrato com a GP Soccer. Do jeito que está vai dar muitos problemas para o Gama. Pediram pra mim segurar um pouco mais mas não deu. O contrato da assembléia não foi lido em sua integra"

Além de suas diferenças com relação ao contrato com a empresa, Oldemar frisou que apesar do cargo não era mais consultado para a tomada de decisões do clube. E colocou em xeque o elenco fornecido pela empresa gestora que disputa o candangão: Nos foi prometido um time de primeira e nos mandaram um time de quarta categoria. Apenas o presidente resolve tudo. Vou ficar agora na arquibancada como torcedor".

 Oldemar também demonstrou sua mágoa com o atual presidente do Gama e agradeceu ao apoio que recebeu quando esteve na presidência: "O presidente não teve sequer o cuidado de me dar um telefonema. É um trabalho que tinha tudo para dar certo, mas com esse contrato que foi feito dificilmente vai dar certo. Agradeço a torcida gamense que sempre me apoiou quando estive na presidência, à imprensa e todos que me ajudaram nessa fase difícil".

 

 

                 William César, três vezes no comando da SEG

 

William César Pinto, exerceu a presidência da Sociedade Esportiva do Gama nos período de 08/12/1985 a 18/01/1986; 10/01/1988 a 09/12/1988; e 17/02/1991 a 16/04/1991.

                                                  

Nascido em Uberlândia/MG no dia 22/12/1947, William César veio para a cidade do Gama em 1972, morando na Quadra 44 da Shis Leste, posteriormente, na Quadra 30 do Setor Oeste, Quadra 23 do Setor Leste e, depois, na Quadra 36 do mesmo setor.


Técnico em Eletrônica, fundou a Eletrogama em um barraco em madeira na Quadra 27 do Setor Oeste, depois a empresa cresceu e foi mudou sua sede para a Quadra QD.25 Setor Leste. Anos depois para Quadra 23 do antigo Setor Bancário.


Com muitos amigos na cidade recebeu o apoio de muitas personalidades para ser presidente do time, dentre eles: Valmir Campelo Bezerra (senador e ministro do TCU), Antilhon Saraiva (advogado), Laerte Bessa (deputado), Antônio Cândido de Moura (comerciante), Braga (Mourão Móveis), Oldemar Bezerra (Drogaria São Rafael), Antônio Cruz (Gráfica cartão de ouro) entre outros comerciantes e políticos.


Em 1992, foi morar na cidade de Vitória/ES, onde passou a exercer a profissão de corretor de imóveis. No dia 04/01/2003, William César foi vítima de sequestro e assassinado na cidade de Vila Velha/ES, crime até hoje não desvendado pela polícia.

                               Raimundo Teixeira Lima

Raimundo Teixeira Lima foi o 12º presidente da história do clube, exercendo o mandato de 17/ 04/ 1991 a 15/02/1992. Nascido aos 29/05/1955, em Goiatins/TO, ele veio para o Distrito Federal em 1972 e para a cidade do Gama em 1986. Foi proprietário dos supermercados Alvorada e JK, depois cansou do ramo e virou representante comercial na cidade de Taguatinga.

Foi convidado por Tonhão, em 1991, para ser presidente da Sociedade Esportiva do Gama É sócio Grande Benemérito.

                                    

                                        Raimundo Teixeira Lima na festa de 38 anos do clube

 

                                   Antônio Goiano

                                                     

 Antônio Jose Gonçalves, nasceu em Guapó/GO, no dia 30 de junho de 1935. Foi um dos fundadores da Sociedade Esportiva do Gama e o 13º presidente da história do clube, exercendo o mandato de 16/ 02/ 1992 a 04/07/1992.

Antônio Goiano veio residir no Gama em 1968 e trabalhava como motorista da Secretaria de Governo. Foi presidente do Gaminha em 1963. Foi Diretor de Futebol com a saída de Luís Alberto para Humaitá em 1976 e vice-presidente de patrimônio em 1988.

Declarou que sempre teve vontade de presidir o time, desde o início, e só quando esteve diante do cargo é que se deu conta o quanto havia a necessidade de se ter recursos financeiros, indo então convidar Wagner Marques para assumir o clube em seu lugar, pois, uma vez ouvira do então presidente da Federação Metropolitana de Futebol que seu maior desejo era ser presidente de um time de torcida como a do Gama.

O futebol gamense perdeu esse grande feitor no dia 10 de agosto de 2013, em decorrência de ataque cardiáco.

 

                                     Agrício Braga

Agricio Braga Filho, nasceu em Casa  Nova/BA, 11/02/1958 - 16º presidente da história do Gama exercendo seu mandato de 15/ 11/ 1996 a 14/11/2000. Filho do Pioneiro Agrício Braga. É Bacharel em Direito, porém nunca exerceu a profissão. Com 3 anos de idade foi morar na cidade do Rio de Janeiro onde ficou até 1977, na capital fluminense ia com freqüência assistir jogos no Maracanã, ao se mudar para o Distrito Federal, sentiu falta daquele contato com as arquibancadas e montou a equipe da Distribuídora Jardim, a Associação Jardim de Futebol, equipe tradicional do futebol amador brasiliense, detentora de vários títulos nas categorias amador, adulto, infantil, juvenil, feminino e veterano, onde foi goleiro campeão do DF em 1980. Foi incentivador e patrocinador de diversas modalidades esportivas, exerceu o cargo de Diretor de Futebol amador da Federação Metropolitana de Futebol, no ano de 1986. Foi Vice-presidente de futebol profissional do C. R. Guará nos anos de 1989 e 1990. Posteriormente assumiu a direção de esportes da ARUC (Associação Recreativa Unidos do Cruzeiro), onde é sócio benemérito. Em 1993, foi convidado por Wagner Marques para assumir o Gama e dessa união não poderia resultar coisa melhor: a administração que mais conquistou títulos na história do clube. Em sua gestão o Gama venceu 4 campeonatos candangos e a Série B de 1998. Foi Deputado Distrital em 1998 e doava cestas básicas para as mães das crianças que participavam da aula de bateria da torcida Força Jovem. Secretário de Esporte e Lazer de 2000 a 2002. No dia 26 de maio de 2000, o então Deputado, do PFL, também ligado ao futebol e ao Gama, assumiu, já como Secretário de Esporte e Lazer. Em 2001, saindo da presidência, passou a fazer parte do Conselho Deliberativo. Paralelo ao futebol profissional, sempre montou equipes de futebol amador e futsal, disputando os principais campeonatos da categoria. Ao concorrer às eleições em 2002, Agrício Braga - criador do programa Bolsa-Atleta e autor da Lei\n° 3.057 de 22 de agosto de 2002, que institui no DF o Censo do Esporte e da Atividade Física - teve de desincompatibilizar-se para cumprir a legislação eleitoral, saiu da SEL no dia 08 de abril de 2002. Foi Idealizador do Projeto Sócio Torcedor em 2008. Patrocinava e apresentava o programa BSB Esporte na TV Brasília. É Sócio Grande Benemérito. Na entrevista abaixo concedida, com exclusividade, ao site Blogama e ao Memorial Gamense, Agrício Braga responde aos críticos e faz um desafio para que eles façam do Gama o que ele conseguiu fazer, diz quantos torcedores fiéis o Gama tem realmente, faz elogios aos ex-jogadores Ronaldo e Sorato, comenta sobre o Movimento "Quero Meu Gama de Volta", revela os bastidores de sua gestão e comenta sobre Wagner Marques, Carlos Macedo, Edvan Aires, Vágner Benazzi e Flávio Raupp. Confira abaixo: .

           

                                  Wagner Marques

Wagner Antônio Marques, natural de Catalão/GO, foi o 17º Presidente da história do clube, exerceu formalmente seu mandado de 15/ 11/ 2000 a 14/11/2004, porém, desde 1992 desempenhou um papel decisivo na vida da agremiação, seja como Presidente de honra ou presidente de honra. É fundador e proprietário da Gráfica Única no qual tinha uma equipe amadora e presidente da Wagner Marques Construções. Vice-presidente do Conselho Deliberativo (2000). Foi diretor financeiro do Clube de Regatas Guará em 1982, Presidente do Brasília EC, Presidente da Federação Metropolitana de Futebol (março de 1986 a março de 1992), vice-presidente do Conselho Deliberativo (2000). Secretário de Esportes e Valorização da Juventude (02/02/1999 a 26/05/2000). Wagner Antônio Marques disse estar cansado do futebol e prometeu retirar-se do comando do clube. Ele foi responsável direto pela projeção do Gama no cenário brasileiro,  mas muito criticado por deixar o time cair para a Série D. Em sua gestão a grafia SEG foi trocada por Gama e em 2002, orientado por numerólogos tentou acrescentar um M a mais ficando "GAMMA" devido à pressão popular, permaneceu somente Gama mesmo. Na entrevista abaixo, gravada no dia 11/07/2011, Wagner Marques fez uma avaliação de sua gestão nesses quase 19 anos, exercendo cargos no comando do clube.

contador