MEMORIAL GAMENSE

"Preservando a historia do futebol gamense"

                 A história dos criadores e de suas obras

Todos conhecem a Sociedade Esportiva do Gama, seu escudo, seus hinos, o monumento do Periquito, e o barulho que sua torcida faz, mas poucos conhecem quem teve a coragem de fazer uma ideia virar realidade. Esta coluna apresenta ao grande público os artistas e suas artes.

__________________________________________________________________________________________________________

      Alberto Farah - o escudo e projeto do antigo Bezerrão


Além de criar o escudo, Alberto Farah fez o o projeto do antigo Bezerrão e da Feira Permanente do Gama

Muitas pessoas que transitam pelo Edíficio Alberto Farah em Taguatinga não imaginam o que o homem que empresta o nome ao prédio tenha feito para ter sido homenageado pelo o Grupo Pauo Octávio Empreendimentos. O arquiteto Alberto Farah trabalhou em Taguatinga, mas sua marca maior ficou na cidade do Gama onde deixou um grande legado.

                             

                                                   homagem ao Dr. Alberto Farah

 

 Em 1975 quando Tim foi se recorrer à ajuda de Valmir Campelo para contribuir com  primeira equipe profissional da cidade do Gama encontrou um administrador receptivo e uma equipe de staff competente, dentre eles Márcio Tannus de Almeida, segundo presidente da história o clube,  Pastor Jachs, criador do primeiro hino e Alberto Farah, arquiteto recém saído da universidade.

Para o jovem Farah os desafios eram muitos, uma cidade afastada 40 quilômetros do centro de Brasília e infra-estrutura précária, poucos recursos financeiros, mas um povo com  um espírito trabalhador muito grande. Era preciso tornar aquele lugar mais digno para que a comunidade gamense pudesse ter um mínimo conformo. 

De sua prancheta saiu o projeto da Feira Permanente no Setor Oeste substituindo a antiga feirinha. Anos depois o local foi ampliado, criando-se a segunda etapa e aumentando a altura do teto, mas respeitando-se o projeto original de Farah.

                   

                     a disponibilização das bancas resistem às reformas, pena que os sucessivos

                               governos não conservaram a feira como ela merecia

Para tornar a cidade mais bonita foram distribuídas, aos moradores, sementes de arvóres e cercas de madeira para protegê-las no final da década de 70, os gamenses aceitaram a idéia e era comum, até meados de 90, se encontrar grandes mangueirais em frente às residências, mas com a permissão para que os lotes fossem ampliados em 3 metros para frente, muitos pés foram arrancados e substituídos por grades. 

                          

                          mais de 30 anos se passaram e manga é que não falta, além da sombra

                                   acolhedora na Quadra 17 do Setor Central

                                -  frutos da arborização implementada por Alberto Farah -

 

A atual rodoviária substituiu uma estrutura de madeira que havia onde hoje é a capela no Setor Central, quadras ímpares. A construção preserva integralmente o projeto original.

                             

                  Osvando Lima (terno branco) e Valmir Campelo (ao microfone)

                        estiveram presentes na inauguração da rodoviária

                                               Acervo: Arquivo Público do Distrito Federal

 

Na cidade do Gama já existia o famoso Campo do Mariano, localizado onde atualmente fica a sede da SEG, e o Estádio da Administração Regional do Gama que tinha suas arquibancadas de madeira. Com o surgimento do time profissional Valmir Campelo se empenhou em construir um local mais adequado para a prática desportiva, aí mais uma vez Alberto Farah entrou em ação e projetou o Estádio Bezerrão, já planejando o sistema de irrigeção e de drenagem.    

                     

                       o antigo Bezerrão foi a primeira casa da Sociedade Esportiva do Gama

                                     Acervo: Arquivo Público do Distrito Federal    

 

                 

                        reservatório construído em 1977 para garantir a irrigação do estádio

 

                                 

                                              mesmo com a ampla reforma do estádio

                                 o sistema de drenagem permaneceu a mesmo

Que mal eu fiz a Deus? Pois nunca tinha sido procurado para ser entrevistado! Com esta frase fomos recebidos pelo o  Dr. Alberto Farah, em 2009, quando estávamos trabalhando na edição do DVD "Escrete 79: os bastidores de uma conquista".  A resposta é simples, vivemos em um país em que não se busca as raízes das coisas e sim vivemos o presente sem valorizar pessoas que se sacrificaram para construir um futuro melhor, depois nos queixamos, ou não entendemos, porque nosso time está onde está. Bronca registrada, é hora de falar na obra mais conhecida do autor.

O escudo da Sociedade Esportiva do Gama é único, o criador se inspirou na Copa do Mundo de 1978, mas deu seu toque pessoal para fazer com que a bola estivesse solta sobre as listras e representasse ao mesmo tempo o mapa da cidade, que se assemelha a uma colméia. Conceito de leveza e esportividade são as caracterísitcas principais do símbolo.

                                                      

as mãos com a bola ao centro na

Logomarca da Copa da Argentina 1978

 

                                                        

a criação mais famosa de Alberto Farah

 

Leia mais na matéria "A história dos escudos da Sociedade Esportiva do Gama" aqui.

Atualmente Alberto Farah reside na cidade de Bom Jesus da Lapa/BA e em uma visita a seus parentes em Brasília deixou registrada a única entrevista, a qual tivemos a honra de divulgar em primeira mão, clique no vídeo abaixo e assista:

 

 Entrevista exclusiva de Alberto Farah.

 

 

____________________________________________________________________________________________________________

 

  Pastor Jachs criou o primeiro hino da Sociedade Esportiva do Gama

José Vieira nasceu em Ituiutaba/MG, em 10 de junho de 1933. Mudou-se de Minas Gerais para o Núcleo Bandeirante em 1959, três anos depois veio residir na cidade do Gama onde se radicou e aqui é conhecido popularmente como Pastor Jachs.

Pastor Jachs apresentando o hino em 1980

Era motorista da Administração Regional do Gama, onde teve oportunidade de trabalhar com muitas pessoas ligadas à Sociedade Esportiva do Gama, dentre elas, Márcio Tannus (presidene do time), Alberto Farah (arquiteto e criador do escudo) e Valmir Campelo (administrator da cidade e grande incentivador do futebol no Gama).

Foi justamente atendendo um pedido do administrador do Gama que Pastor Jachs criou, em parceria com José Braz de Souto o hino “Exaltação ao Gama” e de autoria solo “Avante SEG”.

Conta que o hino foi gravado no DF pela Banda do Corpo de Bombeiros e prensado em São Paulo. O apelido Jachs advém de Tony Jachs, pois era seu nome artístico como cantor de rádio em sua cidade natal. 

os jovens gamenses tiveram a oportunidade de conhecer o autor do 1º hino

Seu grande orgulho foi saber que na primeira vez que o Gama jogou contra o Vasco da Gama/RJ em São Januário seu hino foi tocado no estádio. Se orgulha, também, de ser convidado para eventos, como foi o caso do jogo que comemorou os 30 anos do primeiro Candangão conquistado pelo Gama e do lançamento do DVD "Escrete 79: os bastidores de uma conquista" em 2009.

 

o sempre atencioso Pastor Jachs

(foto Sérgio Vinícios - Blogama)

 

Ficha técnica:

Autor: José Vieira (Pastor Jachs)

Arranjos: Sargento PMDF Samuel José de Sousa

Solo e acompanhamento: Banda do Corpo de Bombeiros do DF

Regência: Tenente CBMDF Ivanildo Borges de Moura

Estúdio: Gravasom

Engenharia de som: Luiz Alberto Lemos

Cantor: Pastor Jachs

Montagem da capa e contracapa: Alberto Farah

Supervisão Geral: Pastor Jachs

Ano de produção: agosto de 1979

 

Avante SEG

 

“Sociedade Esportiva do Gama

Em Brasília está a brilhar

No esporte da nossa capital

É o Gama quem pode se orgulhar

Tem a torcida mais vibrante

Que grita em coro de forma sem igual

Suas cores verde e branco almejante

É para nós uma esperança nacional

Foi criada para o Gama enaltecer

Garra é a sua tradição

No cenário esportivo do Brasil

Hoje todos devem conhecer

 

SEG esperamos por você

Honra o nosso grande Bezerrão

Vai para cima nós queremos é vencer

É um desejo deste povo varonil

 

SEG esperamos por você

Honra o nosso grande Bezerrão

Vai para cima nós queremos é vencer

É um desejo deste povo varonil”

 

Hino Exaltação ao Gama

Sua população se orgulha

Com o avançar da carreira

No dinamismo e beleza

em Brasília, a mais ordeira

Gama és belo és forte

Em Brasília tu és a Capital do esporte

Como és bonita

ô cidade hospitaleira

És encanto juvenil

És a mais linda cidade

Na Capital a mais garrida

Ô cidade bendita

 

Tu és de grande valor

És um povo de boa formação

Tu és a maravilha de Brasília

És a minha inspiração

Gama és belo, és forte

Em Brasília tu és a Capital do esporte

Como és bonita

ô cidade hospitaleira

És encanto juvenil

És a mais linda cidade

Na Capital a mais garrida

Ô cidade bendita"

 

No vídeo abaixo o autor explica como foi o processo de criação do hino e faz uma revelação de quem ia buscar dinheiro para ajudar a pagar os bichos em 1979.

 

 

________________________________________________________________________________________________________

              

 

                Ariomar Nogueira - Monumento do Periquito

o criador e sua criatura

É impossível passear pelo Gama e não encontrar um dos seus 22 monumentos espalhados pela cidade. Ariomar da Luz Nogueira nasceu em Babaçulândia/TO em veio para o DF em 1963, Irrequieto por natureza, não se contenta em aceitar o espaço do jeito que ele está, ele quer ir além e emprestar seu poder de transformação ao local onde habita, assim, sua residência, seu ateliê, seu bairro e a cidade que adotou como sua tem sua poesia em forma de monumentos, como estes nas fotos abaixo:  

Monumento Praças das crianças”

localizada na Quadra 29 do Setor Leste,

nesta obra os nomes dos netos do artista estão inseridos no livro

 

Monumento à Prece”

localizada no balão da Feira Permanente – Setor Oeste

mantida pelo Lions Clube do Setor Oeste

 

Monumentos da Praça da Cidadania”

localizados na Quadra 40 do Setor Central

 

"Pedra fundamental da Casa de Cultura do Gama"

localizada no Setor Central, próximo à Rodoviária

 

Com a conquista do título da Série "B" pela Sociedade Esportiva do Gama em 1998, o artista foi convidado para homenagear aquele feito, no dia 1º de outubro de 1999 foi inaugurado o Periquito, que é a obra mais famosa de sua autoria e está em um lugar de destaque, no balão da entrada da cidade, que após a sua construção passou a se chamar Balão do Periquito. Assista a entrevista de Ariomar Nogueira e o vídeo produzido pela historiadora Joelma Nascimento:

 

 

Uma das suas grandes decepções como arquiteto foi ter sido convidado para fazer o projeto de reformulação do Estádio Bezerrão e depois de entregar todo o material ser surpreendido pela escolha de trabalho que acabou saindo muito mais oneroso e sem aproveitar da melhor forma os espaços existentes.

Na concepção de Ariomar Nogueira, assim deveria ficar a Arena do Bezerrão, porém

o projeto foi alterado no apagar das luzes  

 

Brevemente o artista estará lançando o livro TRAÇOS E PINCELADAS que conta toda sua trajetória de vida e de suas obras, personagens do Gama e do Brasil que fizeram parte da sua vida representados por caricaturas. Ariomar Nogueira é uma das mentes mais pensantes da cidade e coloca seu dom em prol da comunidade gamense.

                      

        Sales já emprestou muito sua criatividade em prol do    Gamão e é conhecido pelo conjunto de sua obra

 

Francisco Sales Santana nasceu no Gama no dia 24 de janeiro de 1968. A partir de 1996 começou aparecer nas reportagens como um dos torcedores mais participantes da vida do clube. Coincidência ou não, foi a partir dessa época que o tive passou a ter maior prestígio nacional.

Em 1997, o time fez uma boa campanha na Série B, mas não foi à final, mas lá estava ele, Francisco Sales, gastando suas reservas para acompanhar o time, nesse mesmo ano produziu um cd com hino de sua autoria e outras músicas. Ainda é dele a criação do boneco do Periquito gigante.

Olha aí o Periquito com o elenco campeão de 2003

Em 1998 veio a coroação, seguindo a equipe onde ela fosse e levando a faixa da Torcida Legião Verde criada por ele e seu primo em homenagem à banda de rock Legião Urbana, Francisco Sales é testemunha ocular da campanha gloriosa que deu o primeiro título nacional à Sociedade Esportiva do Gama.

a Torcida Legião Alvi-verde teve uma participação vital nos tempos auréos do Gama

O entusiasmo era tanto que Francisco Sales abriu um lojinha de artigos gamenses no Shopping do Gama e lá também serviu como exposição de troféus para que a torcida pudesse contemplar todas as conquistas do alviverde.

festa no lançamento da lojinha no Shopping do Gama

Faz parte de seu legado também a produção de um documentário histórico imperdível que conta a façanha da conquista do título brasileiro de 1998. Atualmente Francisco Sales participa da vida cultural da cidade sendo nomeado presidente do Conselho de Cultura do Gama em 2010 e, é claro, torcendo para o Gamão.

Francisco Sales na final do Candangão de 2011

Confira agora uma entrevista com Francisco Sales que sempre deverá ser lembrado pelo conjunto de sua obra em prol maior time de futebol de todos os tempos no DF.

                                   

                                       

entrevista com Francisco Sales

contador